Crítica do episódio 6 da primeira temporada de Doctor Who

O episódio 6 da primeira temporada de Doctor Who, “Rogue”, faz parte da nova era colaborativa entre a BBC e a Disney +. O último episódio foi escrito por Kate Heron e Briony Redman e dirigido por Ben Chessell. Estrelando Ncuti Gatwa e Millie Gibson, o Doutor e Ruby chegam a uma festa do século XIX cheia de brilho e glamour. Mas também contém galantes caçadores de recompensas e alienígenas assassinos que mudam de forma.

Depois de dois episódios de Doctor-Lite, ver Doctor Who retornar ao seu formato habitual é desconcertante. O Doutor e seu companheiro pousam juntos em um local peculiar, descobrem uma ameaça alienígena e trabalham para derrotá-la. O local único com trajes extravagantes cria o ar de um clássico mistério de assassinato.

Mas o verdadeiro tom do episódio 6 da 1ª temporada de Doctor Who é baseado no escândalo. Não há como esconder que “Rogue” é se Doctor Who fez Bridgerton. Está no diálogo e é admitido pelo produtor executivo Russell T. Davies na série de bastidores Doctor Who Unleashed. Ele explora o ar mais atrevido e romântico da série, com desejo de fofoca e tensão sexual reprimida.

O Doutor conhece alguém que o leva a algo emocionante, com cenas cintilantes de dança e suspense. O ritmo do episódio é lento, prolongando cada momento do cenário. O episódio 6 da primeira temporada de Doctor Who se deleita em emular o drama, desta vez envolvendo-o com impostores intergalácticos.

Há momentos de grande tensão e angústia, com emoções rotineiramente elevadas. Ruby e o Doutor correm grave perigo. Mas onde “73 Yards” e “Boom” foram histórias de terror tecnológico e sobrenatural, Rogue retorna a série à ficção histórica.

Os dois heróis estão de volta como dupla no início do episódio, mas ainda passam muito tempo separados. Depois de dois episódios em que quase não aparece, Gatwa tem a chance de brilhar novamente. Este episódio tira o melhor dele. Ele tem que ser uma estrela de ação taciturna que possa retratar a ferocidade. Mas esta é uma história sobre emoção sincera e química escaldante. Ele descobre isso com Rogue, um caçador de recompensas interpretado por Jonathan Groff.

Os dois astronautas flertam flagrantemente e constantemente, compartilhando a tela e irradiando desejo um pelo outro. Eles lutam e dançam. O Doutor é um romântico incurável, com David Tennant e Matt Smith encontrando intimidade com mulheres no tempo e no espaço. Mas o episódio 6 da primeira temporada de Doctor Who explora o mesmo conceito, em vez de usar um homem como interesse amoroso. Isso aumenta o escândalo do cenário e é fundamental no meio do episódio.

Um dos momentos mais proeminentes e poderosos é uma conversa privada entre o Doutor e a Vampira dentro da TARDIS, durante a qual ambos discutem a perda de entes queridos. Os diálogos são sensacionais e as atuações são primorosas, realçando realmente a dor das passagens. Este período parece extremamente pessoal e cru, como se estivesse jorrando direto do coração dos próprios escritores.

Se o diálogo teve um lado negativo, algumas das referências pareciam forçadas e incomuns. É tão óbvio que Bridgerton é a inspiração, mas o nome do programa é repetido várias vezes ao longo do episódio. Outra referência, desta vez causando a descoberta do nome de Rogue, novamente pareceu deslocada e fora do personagem.

Ruby está fortemente presente no episódio 6 da 1ª temporada de Doctor Who, descobrindo elementos cruciais do mistério do assassinato. Ela passa tempo com vários membros do elenco de apoio, farejando-os e forçando-os a agir. Isso inclui Lord Barton (Paul Forman), a Duquesa de Pemberton (Indira Varma) e Emily Beckett (Camilla Aiko). Todos os três são espetaculares ao se encaixarem em ambos os lados do cenário. A etiqueta da alta sociedade saiu diretamente de um romance de Jane Austen. Mas, quando o caos irrompe e os componentes cósmicos se encaixam, eles são estridentes e dramáticos.

A produção do episódio 6 da 1ª temporada de Doctor Who é fantástica. Tudo filmado em uma luxuosa casa senhorial, “Rogue” é um triunfo para os departamentos de cabelo e maquiagem. Cada personagem está com roupas deslumbrantes, especialmente Ruby e The Doctor. Depois vêm as próteses para os monstros, mais uma vez todas criadas de forma complexa. Aves, criaturas parecidas com pássaros, as penas são imaculadas e parecem completamente reais, com um redesenho total e um visual único para cada figura individual. O mesmo pode ser dito sobre vestidos e jaquetas. Não há uma cópia à vista.

Embora haja ação, ela vem principalmente na forma de dança. Algumas das partes mais intensas do episódio acontecem no salão de baile, sangrando de luxúria e sexualidade. Isso foi criado com a ajuda de Jack Murphy, o coreógrafo de Bridgerton. Isso detalha o jogo que Davies esperava alcançar neste episódio.

O episódio 6 da primeira temporada de Doctor Who, “Rogue”, é deliciosamente escandaloso. É tão emocionante quanto qualquer um dos episódios mais assustadores de Doctor Who, mas o sangue está bombeando por um motivo diferente. É uma história escaldante com atores que sabem irradiar química. Tanto Groff quanto Gatwa deslumbram em seus papéis, com os holofotes brilhando sobre eles. É sexual e sensual ao mesmo tempo, sem vergonha de ser flagrante de paixão. E ainda assim há tristeza e tristeza tingidas no episódio.

Com a inclusão de Groff, o show demonstra seriamente sua capacidade de atrair grandes sucessos para seu elenco. No nível de produção, esta temporada de Doctor Who está entre as mais autênticas, trabalhadoras e dedicadas. Nunca há atalhos. Se isso puder se tornar real, há uma equipe que moverá planetas para que isso aconteça.

O episódio 6 da primeira temporada de Doctor Who, “Rogue”, está disponível no BBCiPlayer no Reino Unido e na Disney + em todos os outros lugares.

Episódio 6 da 1ª temporada de ‘Doctor Who’ – ‘Rogue’

8/10

DR

O episódio 6 da primeira temporada de Doctor Who, “Rogue”, é deliciosamente escandaloso.

Your Header Sidebar area is currently empty. Hurry up and add some widgets.