Não, Ubisoft, nunca me sentirei confortável em não possuir meus jogos

Destaques

O serviço de assinatura renomeado da Ubisoft, Ubisoft Plus, incluirá acesso multiplataforma e PC por uma taxa mensal de US$ 17,99, dando aos jogadores acesso a toda a biblioteca da Ubisoft, incluindo novos lançamentos. O Diretor de Assinaturas da Ubisoft, Philippe Tremblay, fez comentários sugerindo que os jogadores deveriam se sentir confortáveis ​​em não possuir seus jogos, o que gerou divisão e levantou preocupações entre a comunidade de jogos.
VÍDEO DO DIA DE Play TrucosS

ROLE PARA CONTINUAR COM O CONTEÚDO

A Ubisoft se viu em apuros com os fãs depois que seu Diretor de Assinaturas (um trabalho distópico, se é que já ouvi um) Philippe Tremblay participou de uma entrevista com gameindustry.biz. Isso ocorre após a reformulação da marca e redefinição do próprio serviço de assinatura da Ubisoft, Uplay + (agora Ubisoft Plus), que agrupará suas assinaturas Multi-Access (ou seja, multiplataforma) e PC Access em um preço mensal de US$ 17,99. Isso concederá aos jogadores acesso a toda a biblioteca da Ubisoft, incluindo novos jogos do primeiro dia, como o excelente Prince of Persia: The Lost Crown, no Xbox, PC e Amazon Luna, com jogo cruzado perfeito. A Ubisoft parece estar dobrando o modelo de assinatura com a crença de que os serviços de assinatura desempenharão um papel importante no futuro dos jogos. Se o Game Pass servir de indicação, ele provavelmente não está errado no que diz respeito ao valor dos serviços de assinatura.

Uma visão sombria

Embora possa não agradar a todos, a promessa de novos lançamentos provavelmente atrairá alguma positividade dos assinantes. Infelizmente, Tremblay fez alguns comentários que rapidamente irritaram grande parte da comunidade de jogadores. Ao discutir os hábitos dos jogadores e o crescimento futuro dos serviços de assinatura, Tremblay disse o seguinte:

Uma das coisas que vimos é que os jogadores estão acostumados, um pouco como o DVD, a ter e possuir seus jogos. Essa é a mudança do consumidor que precisa acontecer. Eles se sentiram confortáveis ​​em não possuir sua coleção de CDs ou DVDs. Essa é uma transformação que demorou um pouco mais para acontecer [in games]. À medida que os jogadores se sentem mais confortáveis ​​nesse aspecto… você não perde seu progresso. Se você retomar o jogo em outro momento, seu arquivo de progresso ainda estará lá. Isso não foi excluído. Você não perde o que construiu no jogo ou seu envolvimento com o jogo. Então, trata-se de se sentir confortável em não possuir seu jogo.

As palavras de Tremblay levantam uma sobrancelha aqui. Tremblay observou que a Ubisoft não tem planos de descontinuar a capacidade de possuir seus jogos física ou digitalmente. Em essência, mas ele está expressando o que acredita ser uma mudança necessária nos hábitos dos jogadores para que os modelos de assinatura ganhem uma fatia maior da indústria. E essa mudança serve para nos sentirmos “confortáveis ​​em não sermos donos dos nossos jogos”.

Relacionado Os jogos da Netflix são bons? Decidi descobrir que certamente está em melhor estado do que há alguns meses.

Deixando de lado a mídia física, o conceito de propriedade ainda é bastante forte na comunidade de jogos. Até a Microsoft, que lança jogos originais no primeiro dia no Game Pass, continua a oferecer seus jogos originais nas lojas, em vez de oferecer o serviço de assinatura para aqueles que não estão interessados. Comparar o conceito de propriedade a uma caixa de DVDs (não blu-rays?) Parece um pouco desatualizado e fora de moda, e a ideia de condicionar os jogadores a se afastarem da importância de realmente possuir seus jogos é um pouco preocupante. .

Larian Studios, os criadores do incrível Baldur’s Gate 3 de 2023, disseram recentemente que nunca colocariam seu jogo no Game Pass, insistindo que seu jogo vale o preço total do ingresso.

Esta é uma aparência muito ruim para a Ubisoft. Fico me perguntando por que alguém de uma grande empresa de jogos faria uma declaração tão claramente divisiva. A frase deixa muito a desejar, fazendo parecer que um segmento significativo de jogadores precisa mudar seus hábitos para que essas grandes empresas prosperem.

A declaração de Tremblay parece totalmente alheia a uma das coisas que a comunidade de jogos mais valoriza. Ele não reconhece o valor da propriedade. Se alguém comprar um jogo como Assassin’s Creed Valhalla, terá acesso a mais de cem horas de conteúdo. Se você não é um jogador voraz, tanto conteúdo pode durar alguns meses, tornando a ideia de possuir um jogo muito mais atraente. Certamente há valor no modelo de assinatura (muito mais Game Pass do que Uplay +, lembre-se), mas Tremblay parece estar prevendo um futuro onde as assinaturas se tornarão o meio dominante de consumo de jogos.

Relacionados os 10 melhores jogos da Ubisoft, classificados A Ubisoft tem algumas franquias icônicas, mas quais jogos são os melhores? Esta lista pode ajudá-lo a decidir.

Embora Tremblay mencione o valor de simplesmente assinar quando quiser jogar, em vez de uma assinatura contínua, isso adiciona uma barreira extra para repetir jogos. Pessoas (como eu) que gostam de jogar novamente os jogos que possuem não precisam fazer nada para iniciar um antigo favorito. Não custa nada para eu rodar minha cópia de Red Dead Redemption 2 em um dia aleatório. Em um mundo dominado pelo streaming, eu precisaria considerar qual serviço tem meu antigo jogo favorito e quanto me custará para jogá-lo novamente. Essa não é exatamente uma ideia utópica ou atraente.

Tremblay também não reconhece o papel dos desenvolvedores nesse processo. Larian Studios, os criadores do incrível Baldur’s Gate 3 de 2023, disseram recentemente que não colocariam seu jogo no Game Pass, insistindo que seu jogo vale o preço total do ingresso. Não apenas concordo, mas também acho que seria prejudicial para todos os desenvolvedores sentirem que precisam fechar um acordo com um serviço de assinatura para ter sucesso, o que estúdios menos ricos do que Larian costumam fazer. Os consumidores devem sempre ter a capacidade de colocar seu dinheiro diretamente no bolso dos desenvolvedores que desejam apoiar, e não vejo isso acontecendo tão cedo.

Leia também Prince Of Persia: The Lost Crown Review – O futuro da franquia parece brilhante Prince of Persia está de volta!

Your Header Sidebar area is currently empty. Hurry up and add some widgets.