Star Trek: Discovery, temporada 5, episódio 10

Quando vi o tempo de execução de uma hora e meia para Star Trek: Discovery, temporada 5, episódio 10, meu coração afundou. Não porque marcou a hora e meia final com uma equipa que adoro há quatro anos, mas porque antecipei uma hora e meia de repetição, dada a forma como esta temporada se desenrolou. Com todo o otimismo que consegui reunir para uma equipe que tanto aprecio, mergulhei corajosamente, apenas para sair desapontado.

Star Trek: Discovery Temporada 5, episódio 10, “Life, Itself”, começa com a Capitã Burnham (Sonequa Martin-Green) realizando seu teste final para provar seu valor na tecnologia Progenitor. O objeto que a teletransportou para dentro revela-se muito mais grandioso do que o previsto. Lá dentro, Burnham deve enfrentar não apenas Breen, mas também Moll (Eve Harlow). O interior da tecnologia Progenitor, inesperadamente vasto e complexo, opera de uma maneira que lembra assustadoramente o projeto Genesis visto em Star Trek III: The Search for Spock. Talvez mais uma das homenagens que a temporada tanto gostou.

Enquanto isso, a tripulação do Discovery, que esteve praticamente ausente da jornada de Burnham nesta temporada, está ocupada afastando o Breen e protegendo o portal onde Burnham está dentro. O cenário é repleto de elementos de enredo orientados pela ciência, intercalados com o inexplicável despertar espiritual do Dr. Culber (Wilson Cruz) que dá à tripulação um milagre. As sequências de ação são envolventes e os efeitos visuais são de primeira linha, mostrando o Discovery no seu melhor tecnológico. No entanto, esses momentos são um lembrete claro de tramas que ficaram inexploradas por semanas. O comandante Rayner (Callum Keith Rennie) é o único personagem que recebeu algum desenvolvimento real, finalmente reunindo coragem para sentar na cadeira do capitão.

Star Trek: Discovery, temporada 5, episódio 10, faz uma última tentativa de traçar paralelos entre as jornadas de Moll e Burnham, mas parece um pouco tarde demais. O que poderia ter sido um contraponto muito convincente à determinação de Burnham diante de seus objetivos se transforma em um vilão muito esquecível. Até este ponto, suas conversas têm sido repetitivas e agora, de repente, Moll está disposta a ouvir. Fiel à sua forma, Moll continua a tomar decisões questionáveis ​​para L’ak.

No final das contas, como muitos outros personagens nesta temporada, as decisões de Moll não importam, já que o final da 5ª temporada de Star Trek: Discovery se apressa para encerrar todas as suas histórias. Essa adrenalina proporciona momentos encantadores aos personagens, mas também uma sensação de confusão sobre como esses arcos foram concluídos tão rapidamente depois de serem meramente sugeridos ao longo da temporada. A maioria dos personagens tem seu futuro revelado por meio da exposição, deixando um desejo inegável por mais em seus momentos finais na tela.

Star Trek: Discovery, temporada 5, episódio 10, mostra momentos de brilho que teriam sido ótimos de ver de forma mais consistente nesta temporada. Saru (Doug Jones), atuando como embaixador Kelpien, mostra suas habilidades de pacificação e sua natureza predatória contra os Breen. Os arrepios que Saru traz neste episódio mais do que destacam como a temporada desperdiçou os talentos de Doug Jones, refletindo uma sensação mais ampla de oportunidades perdidas. Nada maior que a reviravolta da temporada. Quando finalmente chega o momento de enfrentar o Progenitor, a temporada oferece uma reviravolta devastadora depois de jogar pelo seguro durante toda a temporada.

No entanto, a reviravolta cai por terra, assim como muitos outros elementos desta temporada. Pela primeira vez em Star Trek, senti que a viagem não valia o destino porque não conseguimos nem olhar com carinho para os amigos feitos pelo caminho. Sem qualquer desenvolvimento importante do personagem, é difícil aceitar a jornada que Star Trek: Discovery, temporada 5, episódio 10, está tentando encerrar. A jornada foi longa e, no final, você poderia ter sintonizado apenas esse episódio, assistido ao segmento “anteriormente transmitido” e se investido tanto quanto alguém que assistiu a todos os episódios.

Em vez de usá-lo como um trampolim para uma exploração mais profunda ou revelações mais profundas, Star Trek: Discovery Season 5 Finale trata-o como um mero dispositivo de enredo. Essa falta de acompanhamento faz com que a reviravolta pareça desanimadora e, em última análise, inconseqüente. É como se os produtores se contentassem em introduzir conceitos intrigantes sem se comprometerem totalmente com suas implicações ou explorarem seu impacto na narrativa mais ampla.

Essa abordagem conservadora permeia Star Trek: Discovery, temporada 5, episódio 10, resultando em um final que muitas vezes parece seguro e estereotipado. A série parece contente em entregar um produto que seja “bom o suficiente”, em vez de buscar a excelência que poderia ter diferenciado esta série. Essa relutância em ultrapassar limites é particularmente evidente na forma como os arcos dos personagens e os enredos são tratados. Muitos tópicos são introduzidos com promessas, mas ficam pendentes ou são resolvidos de maneira apressada e insatisfatória.

Quando esta temporada começou, eu esperava ir às lágrimas no final. Agora que estou aqui, tudo que sinto é frustração. A montagem do final é um doloroso lembrete do potencial desperdiçado nesta temporada, que viu o elenco mais separado um do outro do que nunca. A escrita, mais do que tudo, impediu que esta tripulação fosse corajosamente a lugares desconhecidos. Em vez disso, há apenas mais do mesmo. A euforia emocional que Discovery busca em sua conclusão parece mais decepção do que reverência, à medida que percebemos que talvez nunca mais vejamos esses personagens na tela.

No final das contas, o episódio 10 da 5ª temporada de Star Trek: Discovery serve como um microcosmo de toda a temporada. Ele mostra uma atuação brilhante e visuais impressionantes, mas é prejudicado por enredos subdesenvolvidos, diálogos refeitos e oportunidades perdidas. Apesar dos momentos de brilho, o final ressalta as frustrações e o potencial não realizado que atormentaram a missão final da série. No final, é uma conclusão frustrante para uma série que já foi inovadora e que uma vez ousou ser lançada com ousadia.

Star Trek: Discovery Season 5 está sendo transmitido agora, exclusivamente na Paramount +.

Star Trek: Discovery, temporada 5, episódio 10 – ‘Life, Itself’

5/10

DR

O final da 5ª temporada de Star Trek: Discovery serve como um microcosmo de toda a temporada. Ele mostra uma atuação brilhante e visuais impressionantes, mas é prejudicado por enredos subdesenvolvidos, diálogos refeitos e oportunidades perdidas.

Your Header Sidebar area is currently empty. Hurry up and add some widgets.